MATA-BORRÃO









Ignorâncias cruzadas

Falava ao telefone com uma criança que, pela voz, parecia andar nos 30.  Pergunto-lhe o que fazer para recuperar a password. Utilizo o verbo, a medo. Será recuperar? Também posso dizer que a antiga expirou, é o que ouço aos entendidos, a esse conjunto imenso de pessoas que sabem o que não sei. No entanto, expirar deveria usar-se em relação ao destino que o Novo Acordo deu a letras e a hífens e a acentos. E prefiro senha a password, mas sinto-me chegada das cavernas, ainda antes da fundição do metal. Este receio miudinho e acabrunhante lembrou-me uma história de uma amiga, essa sim, verdadeiro símbolo da info-exclusão, a quem disseram para pôr um documento numa pen, coisa que lhe pôs os olhos a sair das pálpebras, a que propósito um pénis com documentação.
Depois de ter explicado (mal) o que tinha acontecido à dita, o meu interlocutor, prontificou-se a substituí-la. Posso ditar? Faz favor. Eu, o lápis, o papel, atenção redobrada, quase trémula. Asia1515dolar. Experimentei. Amuado, o ecrã despreza-me e não reage. Conseguiu? Penso duas vezes. Não devo responder nada sobre amuos, não devo mostrar-me nervosa. Respiro fundo, não dá nada. Ouço-me e recrimino-me, não dá nada é mesmo a pedi-las, parvinha, esta. Pacientemente, pede-me para repetir. Repito, olhando para o papel com o Santo Graal. Mas colocou asia com letra maiúscula? Sim, o primeiro A. Outra tonteira, o primeiro A, devia ter dito o A inicial. Então tente novamente. O tente novamente não é novo nestes percursos informáticos. Um corridinho algarvio, tente novamente e novamente volte a tentar. Assim fiz. Então, Asia 15 15 d-o-l-a-r. Dólar? Olho para a minha cábula. Sim, não me disse dólar? Mas escreveu dólar? Nesta fase, sinto a voz, do outro lado, em anel cravejadinho de topázios impacientes. É o símbolo. Mas qual símbolo? Já não penso antes de falar, perdido por dez, perdido por cem. O símbolo do dólar. Já semi-inconsciente, digo-lhe que não tenho esse símbolo no meu teclado. Como se o meu teclado fosse a minha caneta, o meu colar, a minha escova de dentes, una e intransmissível, diferente. Todos os teclados têm esse símbolo. Não, não gritou, é verdade, mas que ficou alterado, ficou. Recaída da minha parte, não, o meu não tem. Estou em roda livre e cheia de saudades das borrachas, do papel de sebenta, dos tinteiros, das réguas, da cola peligon, materiais amigos, fiéis, do coração. Veja lá em cima do 4. Olhei para o 4 e, de facto, havia o símbolo do cifrão. Fiquei quase vitoriosa. Isso é um cifrão. Um quê? Um cifrão. O que é um cifrão?
Assim se cruzaram ignorâncias, a de um jovem adulto com a de uma idosa que acabou o telefonema extenuada. Creio que ele também.


Maria João Forte é Socióloga




Comments

Post a Comment

Popular Posts