segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Os cristãos-novos em Portugal no séc. XX, de Samuel Schwarz

PROMOÇÕES JUDAICA
«Na judiaria peninsular luziram a sabedoria e o génio — os seus rabinos, personalidades de cabeça enciclopédica, primam de par nas letras sagradas e profanas, na poesia, na medicina e na filosofia. Deixaram nomes dos mais brilhantes na história da ciência universal. Os seus astrónomos e matemáticos guiaram as empresas náuticas e geográficas — a grande glória dos nossos descobrimentos encabeça-se primariamente no seu génio. A medicina era por assim dizer toda sua: açambarcam a quase totalidade dos nossos grandes médicos do passado. Finos e instruídos, aristocratizam-se como tribo selecta entre os Bené-Israel: o ilustre lsaac Pinto, ao quebrar lanças certeiras contra os remoques de Voltaire, apregoa a distinção inata dos de raiz espanhola e portuguesa entre os judeus de toda a parte. A origem peninsular acusa-se na própria disciplina eclesiástica, obedecendo as suas sinagogas a um rito particular; o dos sephardim, o da nação portuguesa, oposto ao dos askenazim, os judeus de procedência alemã, polaca e eslava. Envaidece-os a descendência da tribo de Judá e do seu estabelecimento na Ibéria em tempo do cativeiro de Babilónia.»
Os cristãos-novos em Portugal no séc. XX, de Samuel Schwarz
Colecção Judaica

Sem comentários:

Enviar um comentário