segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Uma Coisa Não é Outra Coisa, de José Maria Vieira Mendes



NOVA EDIÇÃO COTOVIA



«Não tenho vontade de reduzir a relação entre teatro e literatura às ideias que alimentam uma dualidade e uma tensão histórica ou uma separação gradual entre disciplinas, ou ainda uma progressiva transparência ou diluição dos limites do teatro e da literatura porque perco a oportunidade de reconhecer o espetáculo ou o texto. Mas também não tenho vontade de ignorar a presença dessas preocupações e relações ao longo de uma história feita de um conhecimento que procura certezas e mascara dúvidas em busca de entendimentos partilhados que abarquem o maior número de casos. Não quero ignorar o cético, ignorar Lear. O cético ajuda-nos a detetar quem afirma que o teatro é literatura ou que o teatro não é literatura e a perceber que estes diferentes entendimentos do mundo dependem das vontades dos sujeitos. Reformular o problema significa reabilitar a diferença entre as duas artes e libertá-las do predomínio de uma semântica de antinomias e oposições. Só assim é possível identificar esta diferença óbvia.»

Uma Coisa Não é Outra Coisa, de José Maria Vieira Mendes
(Ensaio)

Sem comentários:

Enviar um comentário