quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Os Devaneios do Caminhante Solitário, de Jean-Jacques Rousseau


Monte Sainte-Victoire e o Viaduto do Vale do Arc River, Paul Cézanne, 1882
«A solidão campestre em que passei os melhores anos da minha juventude, a leitura dos bons livros a que me dediquei por inteiro, fortaleceram as minhas predisposições naturais para os sentimentos afectuosos, e tornaram-me devoto quase à maneira de Fénelon. A meditação em locais retirados, o estudo da natureza, a contemplação do universo, forçam um solitário a voltar-se incessantemente para o autor das coisas e a procurar com suave inquietação a finalidade de tudo o que vê e a causa de tudo o que sente. Quando o meu destino voltou a lançar-me na torrente do mundo, já aí não encontrei nada que pudesse, por um momento que fosse, atrair o meu coração.»

Os Devaneios do Caminhante Solitário, de Jean-Jacques Rousseau
(trad. Henrique de Barros)

Sem comentários:

Enviar um comentário