terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Histórias de amor de outros tempos

Para os dias frios deste fim do ano, a leitura de um conto oriental, acompanhada de uma chávena de chá, só pode ser um bom conselho:




«Já são coisas do passado. No distrito de *** da província de Tamba vivia um homem que, embora fosse do campo, tinha um coração muito sensível. Tinha duas esposas que viviam em duas casas vizinhas. A primeira era uma mulher da terra. Um dia, o homem fartou-se dela e deu a sua preferência à segunda esposa, uma mulher que trouxera da capital, e a primeira esposa passou a viver na miséria.
Ora, numa tarde de Outono, nas montanhas do Norte, que ficavam atrás dessa aldeia solitária, ouviu-se o bramido melancólico dos gamos. O homem, que estava em casa da segunda esposa, perguntou: “Que dizeis do lamento dos gamos?” “Cozido, seria muito bom; grelhado, também havia de ser uma delícia!”, respondeu ela. O homem não estava à espera daquela resposta. “É uma mulher da capital, deve ser sensível a este género de coisas”, pensara ele. Agora, estava desiludido. Por isso, correu a casa da primeira esposa e repetiu a pergunta: “Que vos parece o lamento dos gamos?” E a primeira esposa respondeu:

Outrora amaste-me
como o gamo que chama a companheira,
mas hoje a tua voz está tão longe!

Ao ouvir isto, o homem sentiu-se extremamente emocionado. Lembrou-se das palavras da segunda mulher e perdeu todo o amor por ela. Mandou-a para a capital e foi de novo viver com a primeira mulher.

Como se vê, mesmo entre os camponeses há homens sensíveis à delicadeza do coração feminino, e mulheres elegantes que escrevem poemas destes. E assim dizem que tudo isto foi contado.»



“Histórias de amor de outros tempos” precedidas de Retratos Vivos, por Pascal Quignard (tradução: Maria Jorge Vilar de Figueiredo) 2€

Sem comentários:

Enviar um comentário