terça-feira, 18 de novembro de 2014

Mortes imaginárias, de Michel Schneider

“A literatura é a câmara de ninguém. Palavras nocturnas, ecos de silêncio, sílabas fatídicas, últimas palavras, coração derradeiro: este livro colhê-las-á, reuni-las-á, será o registo das mortes imaginárias de escritores reais. Abro a cortina  no momento em que La commedia è finita, o que não é necessariamente um mal, se acreditarmos em vários destes moribundos, boquiabertos e fascinados perante a maravilha de um novo traje por estrear, de um novo vestido para experimentar: de uma nova vida que luz e trepida”.

Através de trinta e seis retratos captados nos derradeiros momentos de alguns escritores, Michel Schneider fala-nos, com emoção e erudição, da mais comum das experiências, a morte. Uma história da literatura, em que os derradeiros momentos de Pascal, Kant, Flaubert, Rilke, Zweig, Buzzati e de tantos outros são como um revelador último... da vida.
Nascido em 1944, Michel Schneider, escritor e crítico literário, escreveu sobre literatura, música e psicanálise. Em 2003, recebeu o prémio Médicis de ensaio, atribuído a Mortes imaginárias.

Com tradução de Bénédicte Houart, poeta publicada na Cotovia (Reconhecimento; Vida: Variações; Aluimentos…), este é um dos títulos da colecção Outono-Inverno.



«Nada é mais vivo do que os escritores quando falam da morte e escrevem contra o medo de morrer. Nada é mais morto do que tudo aquilo que nega a morte. Não obstante hoje em dia editores e leitores fogem de títulos que contenham a palavra morte. Os escritores franceses Georges Bataille ou Louis-Ferdinand Céline agora seriam convidados a encontrar algo "que venda melhor". Hoje a morte acontece calada, como se pudéssemos fazê-la desaparecer das nossas vidas apagando-a da nossa língua.»
                          
       (Michel Schneider numa entrevista com Julián Fuks)



(ISBN: 978-972-795-307-3; preço: 28€. 10% de desconto na livraria. Morada: Rua Nova da Trindade nº24)

Sem comentários:

Enviar um comentário