sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Sonótono

 “É tarde que te canto ou cedo foste
Tão surda quanto eu mudo e não tão mudo
Que tu tão cedo ida e tu tão toste
No teu capricho em mim mudasses tudo?
Mudou-se o amor em nada, nada que era.
Um fogo calcinou a sede, é triste.
Arguir: p’ra quê? Dizer: o quê? se insiste
A dor que nada aclara e tudo erra…
Partiste, ó elo fraco desta algema,
Ou se da vide a imagem mais te adivinha
Nem és abraço ou elo, és gavinha,
Zurrapa que hás-de ser p’ra outro Baco.
            Pois parte lá, o verme outro buraco
            Na morte apenas vê, nenhum dilema.”



Sonótono, de Daniel Jonas

Sem comentários:

Enviar um comentário