quinta-feira, 30 de outubro de 2014

A Ilíada de Homero adaptada para jovens por Frederico Lourenço

 Depois de A Odisseia adaptada (que já vai na 10ª edição), os Livros Cotovia apresentam agora A Ilíada adaptada, um trabalho rigoroso de Frederico Lourenço que, não desvirtuando a linguagem poética do clássico original, oferece uma leitura mais próxima e cativante para os jovens, e não só.



Intemporais como são os clássicos, intemporal como é o tema da humanidade, do amor, da guerra e da coragem, aqui fica um excerto de A Ilíada de Homero adaptada para jovens por Frederico Lourenço, com desenhos originais de Richard de Luchi:

«- Heitor, é a tua coragem que te matará! Não tens pena desta criança nem de mim, que depressa serei a tua viúva. Os Gregos hão de matar-te. E para mim seria melhor descer para debaixo da terra, se de ti ficar privada. Nunca para mim haverá outra consolação, quando tu encontrares o teu destino, mas só sofrimentos. Já não tenho pai nem mãe: meu pai foi morto por Aquiles, que arrasou a cidadela bem habitada dos Cilícios. Lá assassinou o meu pai e os meus sete irmãos. Depois, vendeu a minha mãe como escrava; ela morreu logo de desgosto. Por isso, para mim, Heitor, és pai e mãe; és irmão para mim e és também o meu marido. Tem pena de mim e fica aqui dentro da cidade; deixa os outros combater.


                  Heitor respondeu assim à mulher:
                - Teria vergonha dos Troianos e das troianas, se tal como um cobarde me  mantivesse longe da guerra. Nem meu coração tal consentia, pois aprendi a ser sempre corajoso e a combater entre os dianteiros dos Troianos, esforçando-me pelo grande renome de meu pai e pelo meu. Pois isto eu bem sei no espírito e no coração: virá o dia em que será destruída a sacra Tróia, assim como Príamo e o povo de Príamo. Mas não é tanto o sofrimento futuro dos Troianos que me importa, nem da própria Hécuba, nem do rei Príamo, nem dos meus irmãos, que muitos e valentes tombarão na poeira devido à violência de homens inimigos; muito mais me importa o teu sofrimento, quando em lágrimas fores levada como escrava por um dos Gregos. Na Grécia tecerás ao tear, às ordens de outra mulher; ou então, contrariada, levarás água e lavarás o chão, pois não terás outra alternativa. E alguém assim falará, ao ver as tuas lágrimas: ‘Esta é a mulher de Heitor, que dos Troianos era o melhor guerreiro, quando se combatia em torno de Tróia.’ Assim falará alguém. E a ti sobrevirá outra vez uma dor renovada, pela falta que te fará um marido como eu para afastar a escravatura. Mas que a terra amontoada em cima do meu cadáver me esconda antes que oiça os teus gritos quando te arrastarem para o cativeiro.»

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Bernardo Carvalho - Prémio Jabuti

Bernardo Carvalho acaba de vencer o Prémio Jabuti na categoria Romance. Congratulações ao extraordinário escritor!

Bernardo de Carvalho tem publicado na Cotovia os seguintes títulos:

- Teatro (Colecção Sabiá)
- Nove noites (Colecção Sabiá)
- Aberração (Colecção Sabiá)
- O Sol se põe em São Paulo (Colecção Sabiá)
- O filho da mãe (Colecção Sabiá)
- Mongólia (BI e Série Oriental Viagens)